Risoto de Moqueca de Camarão e Queijo Canastra

Estamos de volta com uma receita inspirada numa sugestão do meu amigo rafa. Só não achei o link da sugestão original, mas achei outras referências que ajudaram a compor a ideia. Houve também uma inspiração instantânea no Oba, quando vimos um pote de queijo canastra ralado. Vou dividir a receita em 3 partes: o caldo, os camarões e o risoto em si.

i. o caldo

– 1 maço pequeno de coentro, menos metade das folhas (que você vai usar no final)
– 1/2 cebola
– 1/2 tomate maduro
– 3 dentes de alho (só dê uma esmagada com a faca e use com casca e tudo)
– 1/2 cenoura
– 2/3 de um pimentão verde pequeno cortado em 3 rodelas e sem as sementes
– 1 colher de sopa de azeite de dendê
– 1/2 copo de leite de coco
– 1 colher de chá de sal
água (comece com o suficiente para cobrir todos os ingredientes, mas você pode precisar de mais; deixe uma chaleira com água quente)

O caldo é uma das partes principais do seu risoto. Vai dar a maior parte do sabor, por isso precisa estar caprichado. Você pode colocar mais legumes se tiver. O que você faz é colocar todos os ingredientes em uma panela grande, cobrir de água e deixar ferver. Depois disso, mantenha em fogo baixo ao lado da panela em que for fazer o risoto. No caldo de hoje, eu não coloquei todo o leite de coco desde o início. Ia colocando aos poucos, só o suficiente para turvar a água. Também não pus o sal desde o início; pus só no final, mas não sei se isso faz alguma diferença. Outro segredo é no final, esmague o tomate. Ele vai deixar a água vermelha e você acaba pegando um pouco mais dele.

Enquanto o caldo ferve, prepare os camarões.

ii. os camarões

– 400 g de camarão congelado, daqueles bem pequenos. Siga as instruções de degelo e tente se livrar do máximo de água possível.
– 1/2 cebola cortada em rodelas
– 2 dentes de alho fatiados
– 1/2 colher de sopa de pimenta moída (temos aquela mistura de rosa, branca, preta e jamaica)
– o 1/3 restante do pimentão que você usou no caldo, cortado em cubinhos
sal
azeite para cobrir o fundo da panela

Os camarões são o pulo do gato dessa receita. E esse pré-preparo é gato pulando. Refogue a cebola e o alho no azeite e quando estiver bom, adicione os camarões e um pouco de sal. Eles vão soltar um monte de água. Mexa bem e tenha paciência. Espere toda essa água evaporar, quando ele efetivamente começar a fritar, coloque a pimenta e vá mexendo bem. Quando começar a formar uma borra, coloque os pimentões, refogue mais um pouco até queimar um pouco mais o fundo da panela e desligue o fogo. Retire os camarões e separe.

iii. o risoto em si

– 1 xícara de arroz arbóreo
– 1/2 tomate picado em cubinhos
– 1 pimenta caiena verde sem as sementes e bem picada (nossa primeira pimenta da horta)
– 1/2 copo (ou um pouco mais, eu tirei direto da garrafa) de cachaça
– um pouco de leite de coco
– 220 g de queijo canastra (fresco) ralado
azeite de dendê
– folhas de coentro que você separou

Se sua panela ficou toda suja, meio marrom (e preta em alguns pontos) deu certo. Coloque um pouco de azeite de dendê (se ficar com peso na consciência, misture com azeite de oliva; a ideia é cobrir o fundo da panela) e aqueça até ver a fritura querendo começar de novo. Coloque o arroz e misture bem. A hora que ele  começar a grudar no fundo da panela, coloque a cachaça. Cuidado porque pode espirrar. Cachaça aqui vai no lugar do vinho branco; achei que tinha mais a ver.

Daqui até o final é mexendo o arroz sem parar. Conforme seca a água (na primeira rodada, a cachaça), você vai colocando uma ou duas conchas do caldo e mexe bem. Se você vir que o caldo está acabando, coloque mais água e um pouquinho de leite de coco que ele vai se recompondo. O arroz vai crescer e eu só sei que está perto de ficar bom porque eu provo pra ver se o arroz está duro.

Quando o arroz estiver ficando al dente, é a hora de finalizar. Coloque o tomate, um pouco de leite de coco e a última concha do caldo. Antes de secar completamente, coloque o camarão, a pimenta e o queijo. Continue misturando bem até derreter todo o queijo e a mistura ficar homogênea. Ah, não precisa nem dizer, mas a essa altura aquela borra já foi embora e já se misturou deliciosamente ao seu risoto. Na hora de servir, coloque umas folhas de coentro em cima do arroz, já no prato.

Essa quantidade duas pessoas comem excessivamente bem, se é que você me entende.

apêndice

A Pri fez um acompanhamento sensacional, que combina muito bem: banana da terra. É a coisa mais simples do mundo. Corte a banana em lascas de 1 cm mais ou menos e passe-as em um pouquinho de manteiga numa frigideira com teflon. Deixe queimar um pouco as bordas e esse é o ponto.

referências

Além da receita que o rafa me mandou (e eu perdi) que serviu de inspiração, consultei os dois sites abaixo:

http://vejasp.abril.com.br/receitas/receita-de-risoto-de-moqueca-de-badejo-do-goga

http://fudevudecassarole.blogspot.com/2010/11/risoto-de-moqueca-de-camarao.html

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s