Picadinho de inspiração Síria com um Cuscuz difícil de classificar

Eu sei que é de se duvidar da minha participação igualitária neste blog. Ignoradas as razões pelas quais meus posts não são lá tão comuns, poderia ser dito que eu não compartilho o entusiasmo da Priscila pela cozinha, o que seria, no mínimo uma injustiça. Todo sábado, à hora do almoço (nesses meses que estamos vivendo em continentes distintos), ela passa pela tortura de ver o meu almoço. O problema é que às vezes eu esqueço da foto, outras dos ingredientes, mas hoje resolvi tomar cuidado.
Foi difícil, na verdade, dar um nome para isso. A ideia era fazer um cuscuz acompanhado de uma carne. Aproveitei alguns temperos que eu tinha em casa e a coisa foi se configurando meio síria, meio sei-lá-o-quê. Só sei que ficou muito bom. Vamos aos ingredientes.
Picadinho:
– 300 g de Filé Mignon cortado em cubos (no Pão de Açúcar eles vendem um “Filé para Strogonoff”; é o próprio)
– 1/2 Cebola média picada
– 50 g de Amêndoas [mal] esmagadas (em um pilão)
– 1/2 colher de sopa de Tahine
– 1/2 colher de Mel
– Manteiga para fritar
– Cebolinha picada a gosto
– Sal a gosto
– 1/2 colher de sopa de Zátar
– Pimenta Síria a gosto (com vontade)
Cuscuz:
– 125 g de Cuscuz Marroquino
– Casca de 1/2 Limão Siciliano ralada
– Suco de 1/2 Limão Siciliano
– Um pouco de Vinho Branco (uns 25 a 30 mL)
– 1 Abobrinha pequena picada
– 1/2 Pimentão Vermelho
– 1 Maçã pequena (tipo aquelas da Mônica) picada
– 1/4 de Cebola Picada (podem ser pedaços grandes)
– 2 folhas de Louro
– Coentro a gosto (usei coentro seco em flocos)
– Cebolinha a gosto
– Azeite a gosto
Vou começar explicando a carne, embora o ideal é fazer as coisas mais ou menos ao mesmo tempo. A carne eu preparei numa wok; funciona bem para esse propósito.
Derreta a manteiga (quase uma colher sopa) e frite a carne com fogo bem forte. Não coloque toda a carne de uma vez para não dificultar a fritura e secar a carne. Faça metade, sem mexer muito deixando a bem frita por fora (de modo a preservar um pouco do “suco” dentro dela) e depois adicione o resto, liberando espaço no fundo da panela. Enquanto frita, adicione um pouco de sal.
Quando a carne estiver boa, coloque a cebola. Minha ideia era não fritar a cebola ao ponto de escurecê-la. A cebola mais crua dá uma crocância e um sabor que eu, por alguma razão, associo com comida síria. Coloque o tahine, o zatar, e pimenta síria, o mel, um pouco mais de sal se for preciso e um pouco de água. A ideia é que haja um pouco de molho, mas nada exagerado; controle isso com a água e vá mexendo. Quando estiver perto de atingir o ponto (o ponto que você queira), adicione a cebolinha (apenas partes verdes) e as amêndoas. Misture bem e está pronto.
O cuscuz passou por algumas etapas, mas elas não são fundamentais. Aqui a coisa é relativamente livre. Eu vou explicar o que eu fiz, mas há inúmeros meios de se chegar ao mesmo resultado.
1) A metade do meu pimentão não tinha semente; tome o cuidado de tirar as sementes do seu. Eu espetei um garfo nela e liguei uma boca do fogão e queimei a casca até ela ficar praticamente toda preta. O cheiro é ótimo. Depois, eu coloquei o pimentão debaixo da água fria da torneira (na expectativa de facilitar a retirada da casca). Com uma faca, raspei a casca e ela até que saiu com facilidade.
2) Aqui em casa tem um negócio bacana que serve para cozinhar legumes no vapor. Ele é todo furado e cabe dentro de uma panela pequena. Você coloca os legumes dentro dele e põe um pouco de água na panela, e deixa lá cozinhando. Minha ideia era usar a água dos legumes para fazer o cuscuz. Acontece que o espertão aqui esqueceu dos legumes e água secou. Os legumes, no entanto ficaram ótimos. Eu pus a abobrinha, o pimentão, a cebola e os talos brancos da cebolinha lá dentro.
3) Sem a minha água de legumes eu precisava fazer uma nova. O segredo de se fazer um cuscuz saboroso está na água. Se você deixá-la bem temperada, o cuscuz absorve o tempero e fica delicioso. Para preparar a água, eu fritei um pouco a casca do limão no azeite. Depois misturei a maçã e deixei fritando mais um pouco. No final veio o suco do limão, e a água. Eu coloquei 125 mL de água aproximadamente e mais o vinho branco. A quantidade de água para o cuscuz precisa ser um pouco mais do que a quantidade de cuscuz. Nessa água coloquei as folhas de louro, um pouco de sal, o coentro e um pouco mais de azeite. Deixei fervendo por uns dois minutos em fogo baixo e desliguei o fogo.
4) Com o fogo desligado, misturei o cuscuz à água e tampei a panela. O ideal é deixar por quase três minutos. O cuscuz absorveu toda a água, daí eu misturei os legumes e o resto da cebolinha. Pronto! Depois foi só servir com a carne e eu nem preciso dizer que ficou delicioso.
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s